* APRESENTAÇÃO *

O site Espaço Amazônico pertence a uma pessoa que nasceu no coração de Manaus, na Rua Joaquim Sarmento, bem perto do Teatro Amazonas.

Filho de pai cearense (militar do Exército) e de mãe amazonense (professora normalista) ali viveu a sua infância, a sua adolescência e a sua fase madura, em contato direto com a terra e a gente daquele grande Estado do Norte do País.

Cresceu inebriado pela Amazônia, amando sobremaneira aquela parte do setentrião pátrio. Sentiu todas as dificuldades de uma Manaus em decadência, após o ciclo da borracha, estudando, muitas noites, à luz de vela ou lamparina, mas sempre sonhando com dias melhores para a cidade e para o Estado, o que viu acontecer com o surgimento da SUFRAMA, da qual foi o seu primeiro Superintendente e o seu Procurador Jurídico.

Possui extenso curriculum vitae. Entre outras atividades, foi  Presidente da OAB- AM, Diretor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Amazonas, Membro do Conselho Universitário da UA,  Professor Titular de Direito Tributário, Delegado Especializado de Trânsito, Diretor de Orçamento do Departamento de Administração do Serviço Público do Estado do Amazonas, mas quer ser conhecido, apenas, como um patriota e um amazônida que nunca traiu as suas raízes, fazendo sempre questão de ressaltar, dentro e fora do Brasil, a sua origem de amazonense que ama o seu Estado e o deseja sempre próspero e feliz.

CONVITE AO ROTARISMO

Circular n° 001-2022-2023-Pres.

       
Rio de Janeiro, 21 de Julho de 2022

Prezados Companheiros Governadores 2022-2023, Presidentes 2022-2023, e demais companheiros, do Rotary no Brasil e em países de língua portuguesa:

Permitam-me que me apresente: Sou Maria Odete Henriques de Sá, a companheira Odete, e estou presidente do Rotary Club do Rio de Janeiro para o período 2022-2023.

Este ano rotário – 2022-2023 – é para nós um período de muito júbilo, pois nele comemoramos o Primeiro Centenário do nosso clube, o Rotary Club do Rio de Janeiro, o chamado “Número Um”, o primeiro Rotary Club a ser criado no Brasil e nos países de língua portuguesa.

Coube-me a honra de presidi-lo nesse momento importantíssimo. Pretendemos que este significativo tempo seja marcado por uma série de importantes eventos, culminando com os dias que cercam a data de 28 de fevereiro de 2023, que marca exatamente o aniversário de Cem Anos do Rotary Club do Rio de Janeiro.

Não obstante, desejamos que todo o período de 2022-2023 seja festivo, mesmo além de meu período como presidente. O acontecimento não pode passar sem as devidas comemorações, pois o Centenário do Rotary Club do Rio de Janeiro é demasiado importante e significativo, não só para nós, do Rotary Club do Rio de Janeiro, como também para todo o Rotarismo do Brasil e dos países de língua portuguesa.

Com efeito, é com alegria que verificamos surgirem, em todo o Brasil, movimentos que se associam ao nosso júbilo, buscando festejar o nosso Centenário.

Com a prestigiosa liderança de um Diretor de Rotary International, formou-se uma comissão, com estrutura bastante ampla e complexa, formada por rotarianos de todo o Brasil, incluindo representantes de nosso clube, com a finalidade de se associarem ao nosso júbilo e à nossa comemoração, fazendo reverberar por todo o Brasil o Centenário do Rotary Club do Rio de Janeiro e de todo o Rotarismo Brasileiro.

Tal comissão, dando asas à sua liberdade criativa, tem proposto diversas formas de comemoração, algumas até com louvável apelo popular e de marketing, que se vão revelando mais ou menos aceitáveis ou viáveis, em função das circunstâncias com que se defrontam.

— E o Rotary Club do Rio de Janeiro? Que tem feito? Que planeja?

O “dono da festa”, o aniversariante centenário, o Rotary Club do Rio de Janeiro, porém, não se descuidou da importância da data. Tem, como se diz popularmente, “trabalhado em silêncio”, há já longo tempo estudando e planejando as formas mais marcantes e significativas de comemorar o seu Centenário.

Assim, há mais de dois anos foi criada no nosso clube uma Comissão Permanente, com duração de três gestões presidenciais (já está na terceira gestão), com uma estrutura talvez mais simples, em favor de maior operacionalidade, mas sempre sob a liderança do Presidente do Rotary Club do Rio de Janeiro daquele período, constituída por associados de nosso clube e da qual também fazem parte, especialmente convidados, o Governador do nosso Distrito, dois representantes dos Governadores brasileiros deste período e o mencionado Diretor de Rotary International.

É, pois, tempo de dar-se maior publicidade ao que tem sido feito e ao que está sendo preparado.

Foi contratada uma experiente empresa internacional de organização de eventos, com ampla vivência em importantes acontecimentos rotários que, sob nossa supervisão e comando, tem desenvolvido uma significativa programação rotária, bem como todo o apoio logístico necessário (hotelaria, transportes, busca de patrocínios etc.).

Para mais informações, pode-se consultar:

O site www.rotaryrio100.com.br,  e também o Instagram   rotaryrio100

A título de informação, podemos adiantar que, mesmo o ano de 2023 sendo todo ele festivo, dedicado ao Centenário do Rotary Club do Rio de Janeiro, o auge das comemorações se dará no entorno do dia 28 de fevereiro de 2023, no que estamos chamando de “Semana Master”, que irá de 24 fevereiro a 01março.

   A programação da SEMANA MASTER pode ser assim resumida:

24/02 – Chegada ao Rio de Janeiro da Presidente de Rotary International, a companheira Jennifer Jones, que nos dará a satisfação e a honra de sua presença na comemoração do Centenário do Rotary Club do Rio de Janeiro.

24/02 – Jantar no Hotel Sheraton.

25/02 – City Tour pela cidade do Rio de Janeiro.

25/02 – Almoço festivo

26/02 – Atividade rotária no Jardim Botânico do Rio de Janeiro

26/02 – Coquetel de abertura, no Pão de Açúcar

27/02 – Visita à Escola Paul Harris, em Nova Iguaçu

27/02 – Almoço no Rotary Nova Iguaçu

27/02 – Visita aos projetos “Redes da Maré”

27/02 – Culto Ecumênico no Corcovado

28/02 – Seminário rotário “Os próximos cem anos”, organizado pelo Rotary Club do Rio de Janeiro

28/02 – Almoço no hotel Sheraton (em que haverá um salão especial onde a Presidente de RI se encontrará com Governadores de todo o Brasil)

28/02 – Solenidade e Jantar de Gala comemorativos do Centenário do Rotary Club do Rio de Janeiro

01/03 – Visita à sede do Rotary Club do Rio de Janeiro

01/03 – Visita ao Marco Rotário do Rotary Club do Rio de Janeiro

01/03 – Reunião plenária do Rotary Club do Rio de Janeiro, em almoço na Associação Comercial do Rio de Janeiro

Além da programação exposta acima, haverá também uma série de atividades opcionais oferecidas aos companheiros e seus acompanhantes, em especial aos que nos visitam, com passeios turísticos pela nossa região e eventos de caráter cultural e artístico, onde destacamos poder assistir, em camarote especial, no sábado 25/02, ao famoso “Desfile das Campeãs”, as Escolas de Samba vencedoras do carnaval então recém realizado.

Sugerimos que se consultem as referências de informática já mencionadas (site etc.), para mais informações sobre hotéis no Rio de Janeiro, preços dos eventos, dos “pacotes” rotários e turísticos oferecidos etc.

Além dessas atividades, o Rotary Club do Rio de Janeiro marcará a comemoração de seu Centenário com alguns significativos símbolos objetivos, tais como SELO e MEDALHA comemorativos, especialmente criados para o evento, e o LIVRO DO CENTENÁRIO.

O mencionado LIVRO DO CENTENÁRIO falará sobre os cem anos de existência do Rotary Club do Rio de Janeiro, num breve apanhado histórico, suas realizações e episódios notáveis ou pitorescos, sem esquecer daquilo que somos hoje, na atualidade, e o que desejamos ser, ao longo dos próximos cem anos.

Antecipando nossos agradecimentos a todos pela visita ao Rio de Janeiro (que aguardamos ansiosos!) para a comemoração do Centenário do Rotary Club do Rio de Janeiro, envio minhas

Saudações Rotárias e o meu abraço amigo.

Maria Odete Henriques de Sá

Presidente do Rotary Club do Rio de Janeiro 2022-2023

COMPANHEIRISMO

O forte em Rotary deve ser o companheirismo. O Clube nasceu, exatamente, com o objetivo de aproximar as pessoas, numa convivência harmoniosa, cheia de idealismos e de realizações profícuas.

No Rotary, os companheiros de diferentes áreas de atividades, ou ocupações, se reúnem num ambiente de pura interação, daí as diversas classificações existentes.

Mas há no Rotary, também, a oportunidade das pessoas se reunirem  nos chamados Grupos de Companheirismo, integrados de rotarianos e seus cônjuges, e também de  rotaractianos, afim de compartilharem interesses em comum, para promover o desenvolvimento profissional de cada um, através da interação de pessoas que exerçam a mesma profissão.

Iniciamos mais um ano de atividades, com a posse dos novos integrantes do Rotary Clube do Rio de Janeiros, sob a direção da dinâmica e competente companheira Odete Henriques.
Foi uma festa muito significativa posto que, no próximo  ano,  o nosso Clube estará completando um centenário de vida, verdadeira glória para o rotarismo mundial.

A IMPORTÂNCIA DE SER MINISTRO

Se não me falha a memória foi Getúlio Vargas que disse, certa feita: “Ninguém resiste a um convite para ser Ministro”. Isto é quase uma afirmação incontestável, não fossem pequenas exceções.

Realmente, o poder atrai muito. Ele é inebriante, fascina, desperta interesse. Não fosse isso e não haveria tanto choro nas despedidas dos Ministérios.

Uma pessoa ao ocupar o cargo de Ministro, deixa de ser um simples mortal. Passa a ter uma legião de puxa-sacos ao seu lado, incensando-o a todo momento, dando-lhe cobertura integral. Tem jatinho à sua disposição; é convidado, de quando em vez, para uma viagem internacional; tem seguranças de toda a ordem para lhe dar proteção; enfim, passa a aparecer constantemente na mídia, o que é a coisa mais importante e que está acima de tudo.

Ora, um Ministro não é, assim, um vivente comum. É verdade que certas pessoas não estão preparadas para o cargo, mas isto pouco importa, porque a importância advém do cargo e não da pessoa. Daí a luta de foice para ser Ministro. Até pessoas que aparentemente não precisam do cargo, quando nele estão, não o querem deixar.

Como o ser humano é pequeno por dentro! Acha que a vida é ostentação, é fruição plena das benesses materiais, esquecendo-se que nós estamos no Planeta Terra de passagem, e tão mal localizados, que o homem já pensa em habitar fora do nosso planeta.

A Terra já é pequena para ele. Pretende se instalar na Lua e já pensa em Marte. É a busca do domínio do espaço sideral, para afirmar a sua ostentação, o seu poder de conquista.

Antigamente foram as Grandes Descobertas, a procura de novas terras, do chamado “mundo desconhecido”. Agora é a busca do espaço infinito, para mostrar a sua “grandeza”.

 A vaidade humana, assim, não tem limites, embora os conhecimentos humanos sejam infinitamente limitados, tanto que até agora não foi possível produzir, em laboratório, uma única célula. Tudo o que o homem realiza é com o produto do que a natureza já lhe proporciona.

Mas falávamos da importância de ser Ministro. Ministro é Ministro, e daí?…

A ÁGUIA E A GALINHA

(Parábola sobre as Novas Gerações)

                                                                                             James Aggrey

“Um fazendeiro encontrou na floresta um filhote de águia. Recolheu, levou e colocou no galinheiro, junto com as galinhas, e começou a alimentar com milho e ração de galinha. O filhote foi crescendo no meio das galinhas, adquirindo seus hábitos, ciscando a terra como se fosse galinha, embora a águia fosse o rei/ rainha de todos os pássaros.

Cinco anos depois, ela tinha o comportamento de galinha, vivia como galinha, comia como galinha, inclusive cacarejava como galinha.

Um dia um naturalista passou pela fazenda e observando o galinheiro, disse: Esse pássaro aí não é uma galinha, é uma águia.

De fato, disse o fazendeiro, ela nasceu águia, mas hoje é uma galinha. Foi criada como galinha, vive como galinha e se comporta como galinha. Tem os hábitos de uma galinha.

Não, retrucou o naturalista. Ela é e sempre será uma águia, pois tem o coração de águia e ninguém pode contrariar a sua natureza. Esse coração a fará um dia voar às alturas. Eu vou provar a você que ela é uma águia.

Não, não, insistiu o fazendeiro. Não é possível. Ela virou galinha e jamais voará como águia.

Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e desafiando-a, disse: Já que de fato você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe!

A águia viu as galinhas no chão, pulou para junto delas e voltou a ciscar os grãos.

O fazendeiro comentou: eu não falei que era uma galinha? Ela não é mais águia, ela virou uma simples galinha!

Mas o naturalista tornou a insistir: Não, ela tem no coração a natureza da águia. Vamos leva-la para cima de casa e você vai ver que ela vai se tornar águia novamente.

Ele a levou para o telhado da casa e sussurrou-lhe: Águia, abra suas asas e voe! Mas quando a águia viu lá em baixo as galinhas no chão, pulou e voltou a ciscar no meio delas.

O fazendeiro disse: Tá vendo só o que eu disse? Ela é e sempre será uma galinha.

Mas o naturalista não se conformou. Não, afirmou. Amanhã nós vamos lá no alto daquela montanha e você vai ver que ela não é uma galinha, é uma águia.

No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram  bem cedo. Pegaram a águia, levaram-na para fora da cidade, longe das casas dos homens, no alto de uma montanha. O sol nascente dourava os picos das montanhas.

O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe: Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe!

A águia tremia feito vara verde, mas não voou. Então o naturalista segurou-a firmemente bem na direção do sol, para que seus olhos pudessem encher-se da claridade solar e da vastidão do horizonte.

Você é uma águia, voe! E a lançou contra o sol. Nesse momento a águia abriu as suas asas de quase três metros de envergadura, grasnou como as águias e ergueu-se soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto, a voar cada vez para mais alto. Voou…voou… até confundir-se com o azul do firmamento.”

 Comentário:

Esta parábola ilustra que nós temos o dever de resgatar nos  nossos semelhantes  a águia que existe dentro de cada um, para que eles não fiquem o resto de suas vidas a ciscar a terra feito galinhas; para que eles possam exercer a sua natureza divina e rica e desempenhem o seu verdadeiro papel na Terra.

Um jovem normal pode crescer num ambiente deturpado pela miséria, pela violência, pela marginalidade. É nosso dever, como rotarianos, trabalhar para libertar a águia que habita o coração desse jovem, para que ele possa ser livre, atender ao chamado das alturas, voar em busca do sol, em lugar de passar a vida a ciscar a terra como as galinhas.